Falta de Ergonomia
Falta de Ergonomia

Falta de Ergonomia: Um Risco Oculto em Cada Atividade de Trabalho

Equipe do Blog , 9 de março de 2011

Por Giovani Savi

À medida que se implantam novas tecnologias na empresa e uma Gestão de Segurança do Trabalho eficiente, os riscos de acidente diminuem consideravelmente. Os riscos ambientais: físicos, químicos e biológicos são o foco principal do setor de Segurança do Trabalho nas empresas. Além destes, o risco de acidentes é bem controlado nas grandes e médias empresas. Porém o grande desafio é o risco ergonômico. Coloco um dos tantos conceitos de ergonomia para que o leitor que não é da área de Segurança do Trabalho tenha uma noção do que trata o assunto.

A ergonomia baseia-se no estudo dos seres humanos e seus ambientes, procurando adaptar o ambiente ao trabalho humano levando em conta suas limitações e variação de tamanho. Tem a preocupação de que o trabalho humano não pode ser avaliado como a extensão de uma máquina ou simplesmente mais uma engrenagem da mesma. Avalia tanto o stress psicológico provocado pelo posto de trabalho quanto o stress fisiológico.

A falta de ergonomia nos ambientes de trabalho muitas vezes é imperceptível. O pouco que se faz nesta área é adequar níveis de iluminação e dotar postos de trabalho com mesas e cadeiras ditas ergonômicas. Muitas vezes as regulagens não são óbvias nem simples para que o trabalhador as faça adequadamente. O treinamento para que o trabalhador utilize adequadamente o mobiliário é quase inexistente e as vantagens entre um móvel ergonômico e outro não ergonômico acabam sendo perdidas.

Estes aspectos da ergonomia são perceptíveis pela maioria dos profissionais da área de Segurança do Trabalho, porém nem sempre são bem controlados nas empresas.

Os grandes problemas são os riscos associados ao stress e as pressões do trabalho moderno e as doenças relacionadas com as articulações em decorrência de trabalho repetitivo e sem planejamento que não leva em conta o conforto de execução na atividade.

Estes dois problemas são o motivo de grande número de afastamentos de trabalhadores no INSS e causam perda de produtividade na empresa sem que alguém leve em conta, pois é o principal motivo do presenteísmo que é quando o trabalhador vai a empresa trabalhar, mas por estar doente ou stressado ao extremo, não rende no trabalho o que poderia render. Ou seja, tem sua capacidade de trabalho diminuída.

A falta de profissionais especializados em reconhecer e intervir nestes riscos agrava o problema. O objetivo deste texto é o de abrir os olhos dos profissionais da área para este tipo de risco pois com a implementação do FAP, PPP e NTEP*, o INSS deverá cobrar seus custos diretamente das empresas pelo adoecimento dos trabalhadores.

*Siglas:

FAP: fator acidentário de prevenção.

PPP: Perfil Profissiográfico Previdenciário

NTEP: Nexo Técnico Epidemiológico

INSS: Instituto Nacional de Seguridade Social

Giovani Savi é consultor em Segurança do Trabalho

Por: Giovani Savi                                                   http://blog.mte.gov.br/?p=5021

OBS.: Os em destaque (Cor e Grifo) é nosso.

Translate this Page
VOTE AQUI
Redução da Jornada de Trabalho p/ 40 Hrs/Semana
SIM= Sem Redução Salarial
SIM= Com Redução Salarial
NÃO
NÃO SEI RESPONDER
TENHO DÚVIDAS
SOU NEUTRO
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (403 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...